Como montar um planejamento estratégico

O período mais adequado varia de acordo com a natureza do negócio, com o estágio de desenvolvimento da organização e a volatilidade do ambiente externo

Por Luiz Kaufmann*

19 nov 2018, 15h00 - Publicado em 8 dez 2014, 13h05

Mulher montando planejamento estratégico
Mulher montando planejamento estratégico

Planejamento: a estratégia tem que ser traduzida em planos e projetos específicos (Peopleimages/iStockphoto)

O objetivo do planejamento estratégico é definir uma direção para a empresa. E o processo de definição é tão importante quanto o plano. É um momento de reflexão, discussão, interação, de avaliação interna de forças e fraquezas, das oportunidades do mercado, do perfil da concorrência, da elaboração de planos e definição de objetivos e metas.

Mas não basta definir uma direção. A estratégia tem que ser traduzida em planos e projetos específicos. Em cada caso, é preciso definir:

  • Os objetivos a serem atingidos por cada estratégia, preferencialmente de forma quantitativa;
  • Como será atingido, quais as ações requeridas para atingir o objetivo;
  • Quais são os recursos necessários para implantar cada estratégia – humanos, financeiros, tecnológicos etc.;
  • Os obstáculos a serem superados;
  • As responsabilidades e prazos – quem fará o quê, quando;
  • O retorno esperado sobre o investimento.

Caso contrário, não se tem um plano, mas apenas um desejo, um wishful thinking. E o prazo do plano varia significativamente de empresa para empresa.

Por exemplo, no caso de uma companhia produtora de celulose, é preciso considerar que são precisos sete anos para se implantar uma floresta e disponibilizar matéria-prima, três a quatro anos para planejar, projetar e construir uma fábrica, o plano precisará ser necessariamente de longo prazo.

Como o negócio é altamente de capital intensivo, o retorno sobre o investimento dependerá inclusive do timing de implantação do empreendimento, e até mesmo cenários de oferta e demanda de longo prazo são necessários para um bom planejamento.

Já no caso de uma startup de tecnologia, para o lançamento de um novo serviço, ou de um novo produto, com uma tecnologia inovadora, o horizonte do plano será bem mais curto pela própria falta de elementos para um planejamento mais detalhado em um horizonte de tempo longo.

Ainda assim, normalmente se desenharão cenários de mais longo prazo, procurando definir como o novo serviço ou produto estará competindo no mercado, que vantagens competitivas sustentáveis a tecnologia terá no futuro. Mas fica muito difícil detalhar de forma concreta estratégias específicas de prazo mais longo. Assim, o plano será mais dinâmico e precisará ser revisado e renovado com maior frequência e sempre que surjam fatos novos importantes.

*Luiz Kaufmann é membro do Conselho de Administração da GOL Linhas Aéreas Inteligentes e da PACCAR Inc. nos Estados Unidos


        

Como montar um planejamento estratégico

Seu negócio aceita cartão? Muitos lojistas ficam em dúvida na hora de decidir se devem ou não oferecer essa opção de pagamento. Afinal, quais são as vantagens da máquina de cartão para as vendas? Antes de fazer essa escolha, é preciso prestar muita atenção ao comportamento dos seus clientes.

Hoje os cartões de débito ou crédito são a preferência dos brasileiros para realizar pagamentos, sendo que mais de 70% dos brasileiros optam por esse meio de pagamento em suas compras, segundo pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Pensando nisso, listamos neste artigo as principais vantagens da máquina de cartão para o seu negócio. Quer saber mais? Confira a seguir!

Depois de fazer um bom balanço do ano que se encerra, traçar metas para 2019 exige planejamento e inovação

Depois de fazer um bom balanço do ano que se encerra, traçar metas para 2019 exige planejamento e inovação

O período mais adequado varia de acordo com a natureza do negócio, com o estágio de desenvolvimento da organização e a volatilidade do ambiente externo

Por Luiz Kaufmann*

19 nov 2018, 15h00 - Publicado em 8 dez 2014, 13h05

Mulher montando planejamento estratégico
Mulher montando planejamento estratégico

Planejamento: a estratégia tem que ser traduzida em planos e projetos específicos (Peopleimages/iStockphoto)

Depois de fazer um bom balanço do ano que se encerra, traçar metas para 2019 exige planejamento e inovação

O objetivo do planejamento estratégico é definir uma direção para a empresa. E o processo de definição é tão importante quanto o plano. É um momento de reflexão, discussão, interação, de avaliação interna de forças e fraquezas, das oportunidades do mercado, do perfil da concorrência, da elaboração de planos e definição de objetivos e metas.

Mas não basta definir uma direção. A estratégia tem que ser traduzida em planos e projetos específicos. Em cada caso, é preciso definir:

  • Os objetivos a serem atingidos por cada estratégia, preferencialmente de forma quantitativa;
  • Como será atingido, quais as ações requeridas para atingir o objetivo;
  • Quais são os recursos necessários para implantar cada estratégia – humanos, financeiros, tecnológicos etc.;
  • Os obstáculos a serem superados;
  • As responsabilidades e prazos – quem fará o quê, quando;
  • O retorno esperado sobre o investimento.

Caso contrário, não se tem um plano, mas apenas um desejo, um wishful thinking. E o prazo do plano varia significativamente de empresa para empresa.

Por exemplo, no caso de uma companhia produtora de celulose, é preciso considerar que são precisos sete anos para se implantar uma floresta e disponibilizar matéria-prima, três a quatro anos para planejar, projetar e construir uma fábrica, o plano precisará ser necessariamente de longo prazo.

Como o negócio é altamente de capital intensivo, o retorno sobre o investimento dependerá inclusive do timing de implantação do empreendimento, e até mesmo cenários de oferta e demanda de longo prazo são necessários para um bom planejamento.

Já no caso de uma startup de tecnologia, para o lançamento de um novo serviço, ou de um novo produto, com uma tecnologia inovadora, o horizonte do plano será bem mais curto pela própria falta de elementos para um planejamento mais detalhado em um horizonte de tempo longo.

Ainda assim, normalmente se desenharão cenários de mais longo prazo, procurando definir como o novo serviço ou produto estará competindo no mercado, que vantagens competitivas sustentáveis a tecnologia terá no futuro. Mas fica muito difícil detalhar de forma concreta estratégias específicas de prazo mais longo. Assim, o plano será mais dinâmico e precisará ser revisado e renovado com maior frequência e sempre que surjam fatos novos importantes.

*Luiz Kaufmann é membro do Conselho de Administração da GOL Linhas Aéreas Inteligentes e da PACCAR Inc. nos Estados Unidos


 

Saiba qual diversidade tem ganhado espaço

Mãos unidas: trabalho em equipe

Promover a diversidade é meta da maioria das empresas que estão sintonizadas com as aspirações da sociedade atual...

Empreendedora aposta em setor inovador

Raquel Molina foi eleita a empreendedora do ano na feira de drones DroneShow

Raquel Molina era ainda uma criança quando ganhou o primeiro computador de seu avô, que aprendia sozinho a mexer na máquina...

Mulheres dão a força ao empreendedorismo

Mulher empreendedora no balcão de loja

Qual é o momento certo para investir em vendas online? Quando você vê a necessidade disso...

Saiba qual diversidade tem ganhado espaço

Mãos unidas: trabalho em equipe

Promover a diversidade é meta da maioria das empresas que estão sintonizadas com as aspirações da sociedade atual...

Empreendedora aposta em setor inovador

Raquel Molina foi eleita a empreendedora do ano na feira de drones DroneShow

Raquel Molina era ainda uma criança quando ganhou o primeiro computador de seu avô, que aprendia sozinho a mexer na máquina...

Mulheres dão a força ao empreendedorismo

Mulher empreendedora no balcão de loja

Qual é o momento certo para investir em vendas online? Quando você vê a necessidade disso...